Início » Internas » V EXAME DE ORDEM – SEGUNDA FASE – PENAL

V EXAME DE ORDEM – SEGUNDA FASE – PENAL

Sobre o Autor e o Blog

Em 2008, quando fiz o Exame de Ordem, me senti completamente perdido, sem ter a quem recorrer quando surgia uma dúvida. Por isso, após a aprovação, decidi criar um espaço onde fosse possível divulgar a minha experiência com a prova - foi quando nasceu este blog, que, até hoje, não tem título. De 20 acessos diários, passamos a mais de 10 mil, e, atualmente, o contador aponta mais de 5 milhões de visitantes (segundo o contador da WordPress, que não pode ser manipulado pelo mantenedor do blog). Apesar de diversos convites de cursinhos, nunca aceitei a ideia de transformar o site em um negócio (nem banners são admitidos). Não recebo e nem aceito qualquer recompensa pelo conteúdo - tudo é gratuito e de livre distribuição. E o que eu ganho com isso? A alegria de ajudar milhares de pessoas em busca de um sonho em comum: a aprovação no Exame de Ordem

Leonardo Castro é advogado da Defensoria Pública de Rondônia, atuante na área criminal (atualmente, no júri).

Digite o seu endereço de e-mail para receber as atualizações do blog.

Junte-se a 1.507 outros seguidores

Arquivos

Publicações

novembro 2011
D S T Q Q S S
« out   abr »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

Vamos começar, né?!

Antes de qualquer coisa, vou esclarecer alguns pontos.

No passado, o blog acompanhava a prova desde o comecinho – prova objetiva, recursos, mandados de segurança etc. Contudo, no V Exame de Ordem unificado, não farei isso. O foco será, somente, a segunda fase em penal.

No entanto, para os corações mais ansiosos, falarei algumas palavras sobre a prova objetiva.

Se você está fazendo o Exame de Ordem pela primeira vez, deve estar se perguntando a razão de o gabarito ser “preliminar”. É simples: a instituição denomina dessa forma por ser anterior à análise dos recursos.

Se a sua nota alcançou os 40 pontos, relaxe! Nada nesse mundo fará com que a sua nota diminua. Você já está na segunda fase. Pode comemorar! Isso porque a anulação funciona da seguinte forma: se for anulada uma das questões que você acertou, a sua nota permanecerá a mesma. Por outro lado, se anularem uma errada, a sua nota subirá.

Para os que não alcançaram, a dúvida gira em torno das anulações. Afinal, a instituição costuma anular quantas questões? A resposta é: depende! Digo isso porque, em regra, as anulações estão diretamente ligadas ao número de aprovados. Se muitos passam, poucas questões são anuladas – e vice-versa.

Para quem bateu na trave, com 39, a chance é bem grande. Sugiro dedicação total à segunda fase. Para quem fez 37 e 38, a chance é um pouco menor, mas é real.

E quem fez menos?

Bom, não preciso dizer que a chance é bem menor, né? Entretanto, na prova 2008.3, por exemplo, foram anuladas 06 questões. Então, tudo pode acontecer.

Ah! Importante dizer: com as anulações, a nota mínima continua a mesma (por exemplo: se anularem duas questões, a nota para passar continua sendo quarenta).

De qualquer forma, não desanime com a reprovação. Como já comentei em várias oportunidades, reprovei em meu primeiro exame. Graças a isso, passei a estudar com muito mais garra, e acabei descobrindo que, com fé e dedicação, posso conseguir o que quiser. Depois do “tombo”, passei com certa facilidade na OAB. Na sequência, passei em meu atual concurso.

O tempo de Deus é diferente do nosso. Não se esqueça disso!

Bom, vamos à segunda fase.

Afinal, vale a pena fazer cursinho? Sem sombra de dúvida, sim!

Na época, fiz no LFG, quando o Madeira e a Patrícia Vanzolini ainda estavam por lá. Sem eles, eu não teria passado. Hoje em dia, salvo engano, eles estão no Damásio. Por isso, se for indicar um curso, será aquele em que ambos lecionam.

Entretanto, há outros tantos cursos por aí. Assista a uma aula gratuita em cada um e decida onde estudar.

Quanto ao material, é MUITO importante adquirir, imediatamente, um bom “vade”. Gosto muito daquele publicado pela Saraiva, ainda que não seja muito completo. O da Rideel também é ótimo! Mas não se preocupe! Falarei sobre os códigos em um “post” futuro.

Por ora, agradeço aos queridos leitores pelas manifestações de carinho. Li cada um dos comentários, mas ainda não respondi a todos por imperiosa falta de tempo.

Na página “Depoimentos” (clique aqui), há relatos de leitores que passaram por aqui.

Até amanhã, pessoal!

About these ads

10 Comentários

  1. Marcelo Faria Oliveira disse:

    estou ancioso em
    saber qual código poderei usar na prova. Obrigado

  2. Tati disse:

    Nossa vou ter que correr pra estudar MS.

  3. Luciane disse:

    amei a sua msg me incentivou bastante!!!Obrigado

  4. Diogo Arruda disse:

    Dr. Leonardo, o que o sr. acha de interessante o aluno ler na segunda fase de penal, estou fazendo o curso Damásio com a Patricia Vanzolini, o a indicação bibliográfica foram os livros da elementos do direito, você acha que apenas esses livros abaixo são suficientes ou você indicaria uma leitura a mais em outras obras???

    Prática penal. Ângela C. Cangiano Machado; Guilherme Madeira Dezem; Gustavo Octaviano Diniz Junqueira; Maria Patrícia Vanzolini Figueiredo. 8ª edição. São Paulo – editora RT.

    Coleção Elementos do Direito, vol. 7 – Penal. Gustavo Octaviano Diniz Junqueira. 10ª edição. São Paulo – editora RT.

    Coleção Elementos do Direito, vol 8 – Processo Penal. Angela C. Cangiano Machado; Gustavo Octaviano Diniz Junqueira; Paulo Henrique Aranda Fuller. 10ª edição. São Paulo – editora RT.

    Coleção Elementos do direito, vol 14 – estatuto da criança e do adolescente. Guilherme Madeira Dezem; João Aguirre; Paulo Henrique Aranda Fuller. São Paulo – Editora RT.

    Manual de redação jurídica e língua portuguesa . Darlan Barroso; Marco Antonio Araujo Júnior São Paulo – Editora RT.

  5. Sergio disse:

    Caro Dr. Leonardo,boa noite.
    Estou muito feliz com seu retorno, acredito piamente que a fé sem obras é morta, e sem sombra de duvida esse blog é sua obra!!!
    Que com ele você ajudou muitas pessoas, hoje graças a Deus consegui passar no ultimo exame,inclusive já estou advogando(ou melhor,assinando minhas peças!!)
    Espero que o insígne doutor tenha vindo para ficar e continuar sua obra que foi e é de grande valia para muitos.
    Forte abraço
    Dr. Sergio Freitas

  6. Alexander Cavalcante disse:

    Caro amigo, Dr. Leonardo Castro.
    É com muita felicidade que recebo informações de que o Blog voltou, com posts novos.
    Lembrava minha namorada que, na época que prestei Exame de Ordem, tive grande ajuda do seu Blog. Só lembranças boas.
    Hoje ela está na segunda fase, estudando Direito Penal. Lamentei muito o seu afastamento do Blog, pois seria de grande ajuda para ela também.
    Quando ela disse que recebeu uma atualização do seu Blog, achei que era erro do sistema! Rsrsrs
    É com muita felicidade que percebo que não foi erro do sistema!! A solidariedade que foi semeada durante muito tempo…voltará para formar novas amizades e novos profissionais.
    Passei no Exame de Ordem 2009.2, quando estava cursando o décimo periodo (isso mesmo, aquela tensão da dúvida se iriamos receber a carteira ou não).
    Meu nobre, obrigado por tudo.
    Fraternal abraço…
    “Tamo junto de novo…”

  7. Elizabeth Oliveira disse:

    Olá leonardo, secolhi penal pra segunda fase pq amo essa matéria, pena que não consegui obter os 40 pontos, fiz somente 34 pontos… mas posso te garantir que não foi por falta de estudar não, passei noites em claro estudando muito, muito mesmo! Porém, é bem como vc disse que o tempo de Deus é diferente do nosso e eu sei que Ele sabe de todas as coisas. Obrigada pela força! Um grande abraço!
    Elizabeth Oliveira

  8. Djaniro disse:

    Prezado Professor
    Fiquei feliz com seu retorno.
    Já que a ênfase maior é a 2ª fase, solicito que trabalhe muito os sistemas de produção de peças com suas sugestões de argumentação de defesa. Felicidade!
    jusdja@hotmail.com

  9. Acabei esquecendo de falar algumas coisas! rs

    Vamos começar com o mandado de segurança. Vale a pena?

    Bom, há alguns poucos casos de sucesso. Contudo, em regra, o Judiciário não acata o pedido para a anulação de questão, por mais absurda que seja. Todavia, não custa nada tentar, não é mesmo? Mas, caso impetre, não aposte muito no sucesso do pedido.

    Quanto aos recursos, não deixe de atacar as questões do seu interesse. Ainda que a anulação seja benéfica para todos (“erga omnes”), não espere pelos outros. Fundamente bem e recorra das questões do seu interesse.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Olá, visitante nº

  • 8,581,164 . Volte sempre!

ATENÇÃO, LEITOR!

Estamos em novo endereço: www.forumcriminal.com.br. Não serão mais respondidas perguntas feitas por aqui. Um abração!

RSS Comentários em RSS

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.507 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: