V EXAME DE ORDEM – SEGUNDA FASE – PENAL

Vamos começar, né?!

Antes de qualquer coisa, vou esclarecer alguns pontos.

No passado, o blog acompanhava a prova desde o comecinho – prova objetiva, recursos, mandados de segurança etc. Contudo, no V Exame de Ordem unificado, não farei isso. O foco será, somente, a segunda fase em penal.

No entanto, para os corações mais ansiosos, falarei algumas palavras sobre a prova objetiva.

Se você está fazendo o Exame de Ordem pela primeira vez, deve estar se perguntando a razão de o gabarito ser “preliminar”. É simples: a instituição denomina dessa forma por ser anterior à análise dos recursos.

Se a sua nota alcançou os 40 pontos, relaxe! Nada nesse mundo fará com que a sua nota diminua. Você já está na segunda fase. Pode comemorar! Isso porque a anulação funciona da seguinte forma: se for anulada uma das questões que você acertou, a sua nota permanecerá a mesma. Por outro lado, se anularem uma errada, a sua nota subirá.

Para os que não alcançaram, a dúvida gira em torno das anulações. Afinal, a instituição costuma anular quantas questões? A resposta é: depende! Digo isso porque, em regra, as anulações estão diretamente ligadas ao número de aprovados. Se muitos passam, poucas questões são anuladas – e vice-versa.

Para quem bateu na trave, com 39, a chance é bem grande. Sugiro dedicação total à segunda fase. Para quem fez 37 e 38, a chance é um pouco menor, mas é real.

E quem fez menos?

Bom, não preciso dizer que a chance é bem menor, né? Entretanto, na prova 2008.3, por exemplo, foram anuladas 06 questões. Então, tudo pode acontecer.

Ah! Importante dizer: com as anulações, a nota mínima continua a mesma (por exemplo: se anularem duas questões, a nota para passar continua sendo quarenta).

De qualquer forma, não desanime com a reprovação. Como já comentei em várias oportunidades, reprovei em meu primeiro exame. Graças a isso, passei a estudar com muito mais garra, e acabei descobrindo que, com fé e dedicação, posso conseguir o que quiser. Depois do “tombo”, passei com certa facilidade na OAB. Na sequência, passei em meu atual concurso.

O tempo de Deus é diferente do nosso. Não se esqueça disso!

Bom, vamos à segunda fase.

Afinal, vale a pena fazer cursinho? Sem sombra de dúvida, sim!

Na época, fiz no LFG, quando o Madeira e a Patrícia Vanzolini ainda estavam por lá. Sem eles, eu não teria passado. Hoje em dia, salvo engano, eles estão no Damásio. Por isso, se for indicar um curso, será aquele em que ambos lecionam.

Entretanto, há outros tantos cursos por aí. Assista a uma aula gratuita em cada um e decida onde estudar.

Quanto ao material, é MUITO importante adquirir, imediatamente, um bom “vade”. Gosto muito daquele publicado pela Saraiva, ainda que não seja muito completo. O da Rideel também é ótimo! Mas não se preocupe! Falarei sobre os códigos em um “post” futuro.

Por ora, agradeço aos queridos leitores pelas manifestações de carinho. Li cada um dos comentários, mas ainda não respondi a todos por imperiosa falta de tempo.

Na página “Depoimentos” (clique aqui), há relatos de leitores que passaram por aqui.

Até amanhã, pessoal!